21/03/2017

Precisamos falar sobre Extraordinário

Creio que a maioria já deve ter ouvido falar sobre o livro Extraordinário. Ele conta a história de Auggie, um garotinho que nasceu com uma doença genética, cuja sequela é uma deformidade em seu rosto, e após passar por inúmeras cirurgias, precisa enfrentar um novo desafio: deixar o ensino que sua mãe lhe dava em casa, e ir para uma escola.

O livro tem uma narrativa leve, e a história é contada pelo ponto de vista de diversos personagens. O que me chamou a atenção, foi a forma como as pessoas que conviviam com ele, e aquelas que não estavam acostumadas ao que era diferente, agiam com ele.

19/03/2017

Rioderguz: O que teus olhos escondem?

Teus olhos
De intensos olhares,
De diversos
Versos.

Teus olhos
De profundas olheiras,
De marcas roxas
E marcas de tempo.

Teus olhos
Que a tanta coisa viram,
Que nem de tudo viu ainda,
O que guardam
Seus olhares?

17/03/2017

Epifanias de sexta: "Será que estou fazendo a diferença pra alguém?"


Dias atrás eu me peguei em uma crise existencial de uma magnitude tremenda. Não gosto de me sentir assim, mas ela afeta minha sensibilidade do mundo: eu vejo as coisas por um ângulo mais estreito e minucioso.

Desta vez, me peguei pensando na importância pífia que eu parece apresentar para as pessoas. Talvez elas me vejam em uma ótica diferente, mas eu sinto que elas não se importam tanto. Sabe quando você simplesmente não se encaixa em lugar algum, independente de onde esteja? 

Como se eu fosse um mero borrão na visão aturdida do míope: todo mundo prefere o que transmite claridade, e naquele momento, eu não era mais claridade alguma. Eu era um borrão na imensidão. 

Aquela que por motivos estapafúrdios sempre fica de fora das comemorações da galera, que se importa mais com os outros, do que os outros com ela. Que quer se integrar ao grupo de pessoas, mas se sente distante e se afasta. 

12/03/2017

Rioderguz: Ao irreverente doce amargo

A gente se apega, não é?
Num abraço,
num sorriso,
num riso solto
espontâneo
e deixado livre ao vento.

A gente se apega
às memórias frescas,
a uma tarde em um parque,
uma noite mal dormida
com o ex-amor,
ao que passou há pouco,
e àquelas memórias
que já não estão assim
tão nítidas.

07/03/2017

Rioderguz: Uma estação


Minha arte palpita por ti;
Vou de Ipanema à Copacabana por ti;
Por ti, vou de Sampa à Hollywood.
Então, por favor, me ajude!

Partiu-se em pedaços a minha mente.
Sei que já enlouqueci totalmente;
Aguardando, compondo, cantando,
Desejando e rezando em minhas noites,
Desde que te vi certo dia na Bienal.